logotipo do projeto

A segunda edição do Plano de Trabalho Colaborativo na Administração Pública está alinhada com a Estratégia para a Inovação e Modernização do Estado e da Administração Pública 2020-2023, aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 55/2020, de 31 de julho, que expressa, quer na sua construção, quer nos eixos e medidas que a compõem, uma aposta no trabalho colaborativo.


ESTRUTURA

Concebido e assinado em 16 de junho de 2020

Organizado em 9 projetos

Colaboração de 24 pessoas, oriundas de 11 entidades da administração direta e indireta do Estado e da administração autónoma

Executados por equipas de projetos multidisciplinares em trabalho remoto

PARTICIPANTES (Por Projeto)

Gráfico representativo do número de participantes no segundo Plano Colaborativo por projeto. 6 participantes no projeto Modelos de Serviços Comuns de Segurança e Saúde no Trabalho. 11 participantes no projeto Roteiro para a Maturidade das Lideranças. 7 participantes no projeto Crianças, Famílias e Comunidades não brotam em Jardins. 13 participantes no projeto Plano Nacional de Qualificação dos agentes de Gestão Integrada de Fogos Rurais. 9 participantes no projeto Plataforma de Empreendedorismo para Ideias de Trabalho Colaborativo. 8 participantes no projeto Partilha de Soluções. 9 participantes no projeto Agilização da Execução de Projetos Financiados. 11 participantes no projeto Promoção do Laboratório de Inovação da Polícia Judiciária. 7 participantes no projeto Guia de Apoio à execução de Projetos do Programa Simplex 20 21.

ÁREAS DE GOVERNO REPRESENTADAS (11)

Presidência

Finanças

Defesa Nacional

Justiça

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Saúde

Planeamento

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Modernização do Estado e da Administração Pública

Agricultura

Mar


COORDENAÇÃO DAS DINÂMICAS COLABORATIVAS

A Declaração Colaboração, assinada no dia 16 de junho de 2020, prevê na alínea b), do seu número 7, a criação de “um Grupo de Coordenação, constituído por três dirigentes de entidades distintas, que será responsável pela promoção das dinâmicas colaborativas entre os parceiros”.
Em cumprimento desta determinação, os signatários da Declaração Colaborativa acordaram designar para esse Grupo de Coordenação, pelo prazo de um ano, os seguintes membros da Declaração Colaborativa:

■ Carlos Caeiro Carapeto, Subdiretor-Geral do INA

■ César Pestana, Presidente do Conselho Diretivo da ESPAP, I.P.

■ Nuno Bulcão Sarmento, Capitão-de-mar-guerra, da Marinha Portuguesa


PRINCÍPIOS

1. Desenvolver uma postura proativa na procura de oportunidades de colaboração, partilha de conhecimento e desenvolvimento da Administração Pública

2. Encontrar um modelo que permita às organizações a que pertencem funcionar como um facilitador e potenciador do trabalho colaborativo

3. No âmbito das suas competências e com os recursos disponíveis, adotar formas de modernizar e de inovar, melhorar práticas, simplificar procedimentos, desmaterializar processos, identificar lições aprendidas, aumentar a eficiência e eficácia dos processos e a qualidade dos serviços prestados

4. Assumir o compromisso de contribuir para o desenvolvimento das suas equipas, apostando nos portefólios de competências facilitadores da colaboração

5. Promover planos de trabalho colaborativo na Administração Pública e desenvolvê-los através de equipas multidisciplinares

6. Incentivar a adesão de outras pessoas a esta Declaração Colaborativa


Última atualização: 7/27/2021 1:08:45 PM